Reunião marcada por piadas e ofensas

Em uma reunião de gabinete na segunda-feira, vários ministros defenderam a postura linha-dura de Israel contra a aceitação de um grande número de refugiados ucranianos que não são elegíveis para cidadania, um dia depois que o governo cedeu à pressão e concordou em aliviar sua política até certo ponto.

A reunião também teve membros do gabinete fazendo piadas aparentemente racistas e sexistas em meio ao pior desastre humanitário que atingiu a Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

“Chega de autoflagelação. Estamos indo além do que qualquer país que não faz fronteira com a Ucrânia fez”, disse o ministro da Agricultura, Oded Forer, de acordo com citações vazadas seletivamente publicadas na mídia israelense.

O ministro das Finanças, Avigdor Liberman, chamou aqueles que criticaram a política de Israel, dizendo: “Quando Israel estava sob fogo, não vimos a Europa falar a nosso favor”.

Ele também teria feito uma piada sobre mulheres ucranianas durante a reunião, depois que Shaked observou que muitos prefeitos em todo o país estão se voluntariando para receber refugiados ucranianos.

“Alguns deles só querem mulheres ucranianas”, brincou Liberman em resposta. Ninguém repreendeu o ministro pelo comentário e vários colegas até riram disso, segundo relatos. Depois que vazou, porém, Liberman pediu que fosse apagado da ata oficial da reunião.

A ministra dos Transportes, Merav Michaeli, mais tarde criticou o comentário de Liberman e o pedido subsequente.

LEIA TAMBÉM

“Tem algumas coisas que não são brincadeira. O ministro das Finanças pediu para excluir da ata da reunião sua declaração ultrajante sobre as mulheres ucranianas. Espero que esta seja a última vez que essas coisas sejam ditas sobre as mulheres, que sempre pagaram o preço da guerra que os homens decidiram”, tuitou Michaeli.

Também na reunião, a ministra da Absorção, Pnina Tamano-Shata, criticou seus colegas por se recusarem a oferecer o mesmo grau de simpatia e apoio aos judeus etíopes que procuram fugir de seu país devastado pela guerra que agora estão mostrando para potenciais imigrantes ucranianos.

“Esta é a hipocrisia dos brancos. Também devemos trabalhar para avançar na imigração de judeus da Etiópia, que também estão fugindo de uma guerra”, disse ela.

Em resposta, o ministro da diáspora, Nachman Shai, disse: “Somos da Europa”.

Tamano-Shata supostamente não aceitou bem a resposta, dizendo a Shai para “retirar, não é engraçado”. Nessa fase, Liberman supostamente interveio para defender o comentário como “apenas uma piada”.

A ministra da Economia Orna Barbivai também aparentemente não gostou das observações de Tamano-Shata, dizendo: “Como você pode dizer uma coisa dessas? Como você reagiria se alguém dissesse que os negros são hipócritas?”

Embora a ministra do Interior, Ayelet Shaked, tenha anunciado na semana passada que Israel está preparado para receber 100.000 refugiados que são elegíveis para cidadania sob a Lei do Retorno, ou seja, pessoas com pelo menos um avô judeu, na prática, Israel acolheu mais de 7.000 refugiados, com cerca de metade que se qualificam para a cidadania.

Shaked limitou o número de refugiados inelegíveis para cidadania em 5.000, mas depois anunciou que parentes desses 5.000 também teriam entrada, em meio a protestos públicos sobre o rigor da política.

No entanto, ainda não está claro quantas pessoas realmente seriam permitidas com a mudança de política e quem tem permissão para entrar.

“Se um refugiado é primo de terceiro grau de alguém que já está no país, ele não será aprovado”, disse Shaked na reunião.

O Ministro da Habitação Ze’ev Elkin interpelou Shaked em seu comentário, pedindo-lhe para esclarecer exatamente o que ela estava dizendo.

“Avô, sim. Irmão, sim. Primo de terceiro grau, teremos que ver qual é o pedido”, respondeu Shaked.

Elkin perguntou a ela: “O que significa ‘temos que ver?’ Isso não é uma política. Estou totalmente perdido. O que diz a política?”

Shaked respondeu que parentes serão autorizados a entrar.

“Parentes é um termo muito amplo. Precisa ser uma política clara”, disse Elkin, nascido na Ucrânia.

Não ficou claro em quais partes da conversa o primeiro-ministro Naftali Bennett estava presente, pois ele deixou a reunião logo após o início para um telefonema com o presidente russo, Vladimir Putin.

Durante a reunião, o gabinete aprovou uma série de medidas para ajudar os novos imigrantes que chegam a Israel vindos da Ucrânia e dos países vizinhos, alocando fundos e recursos adicionais para moradia e prestação de serviços básicos aos recém-chegados.

De acordo com as Nações Unidas, mais de 2,8 milhões de ucranianos já fugiram de suas casas desde a invasão russa, e acredita-se que outros milhões estejam deslocados internamente no país.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Piqsels, Wikimedia Commons

One thought on “Reunião marcada por piadas e ofensas

Fechado para comentários.