Sinagoga ARI contribui para a História do Brasil

Por iniciativa e articulação de Heritage & History (Zurique), a Associação Religiosa Israelita do Rio de Janeiro (ARI) entregou um porta-etrog em doação para o acervo do Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro, em maio de 2022.

Assim, o Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro (MNH) passa a ser um dos primeiros museus sobre a história nacional de um país fora de Israel, quiçá o primeiro, a incluir a imigração e a presença dos judeus em seu acervo e programa institucional.

Museus judaicos registram e expõem a imigração e a presença judaicas em vários países do mundo. Contudo, os museus sobre a história nacional não incluem a história dos judeus daquele país em sua narrativa ou exposições. A entrada do porta-etrog no acervo do MNH retrata a inserção da comunidade judaica no Brasil e celebra a forma hospitaleira com a qual os judeus foram recebidos no país.

De prata prensada, repuxada e cinzelada com motivos florais, a peça é provavelmente de meados do século XX e remete a um estilo estético usado desde o século XIX pela Escola de Artes Bezalel, em Jerusalém. O porta-etrog traz inscrições em hebraico (Levítico 23:40: “Vocês colherão os frutos da cidreira amarela”) e em português (“No quadragésimo jubileu rabínico do Dr. Lemle. Dos cariocas em Israel à ARI 1-4-1973”), que explicitam seu uso e a ocasião em que foi dedicado na Sinagoga.

O etrog é a fruta da cidreira amarela usada simbolicamente na liturgia da festa de Sucot, que recorda as tendas (sucot, em hebraico) que os israelitas construíram e habitaram no deserto do Sinai após a libertação do Egito. Nessa festa, quatro espécies vegetais simbolizam, por seu sabor e/ou aroma ou pela ausência deles, a diversidade dos indivíduos que formam a comunidade judaica. O etrog tem tanto aroma como sabor e, por isso, é associado à plenitude e à integridade de caráter.

A sucá do deserto serviu de inspiração para o arrojado projeto arquitetônico da Sinagoga da ARI na rua General Severiano, no Rio de Janeiro, construída em 1961. A ARI foi fundada em 1942 por refugiados judeus alemães do regime nazista, sob a liderança espiritual do Rabino Dr. Henrique Lemle.

LEIA TAMBÉM

Dr. Lemle assumiu seu primeiro cargo como rabino na sinagoga liberal de Mannheim no dia 1º de abril de 1933, dia do boicote a estabelecimentos comerciais e consultórios médicos de judeus na Alemanha. Naquela ocasião, sua investidura ocorreu de forma discreta e sem a devida celebração. Ao completar 40 anos de atuação rabínica em 1973, a ARI, congregação da qual foi co-fundador, rendeu-lhe honrosas homenagens com serviços religiosos festivos de Kabalat Shabat (sexta-feira à noite) e Shabat (sábado) e com a publicação de um boletim especial.

Tal como a incorporação do porta-etrog ao acervo do Museu simboliza a interseção entre as histórias brasileira e judaica, suas duas inscrições simbolizam a interseção entre a tradição judaica e a comunidade carioca, representada pela ARI.

Essa doação restabelece uma parceria entre o MHN e a ARI, que começou com a exposição “Heranças & Lembranças – imigrantes judeus para o Rio de Janeiro”, em setembro de 1989.

Fonte: Heritage & History
Foto (da esquerda para direita): Charles Steiman, diretor de Heritage & History, Zurique; Diogo Tubbs, responsável pelo Setor de Dinâmica Cultural do Museu; Gilberto Lamm, presidente da ARI; Aline Montenegro Magalhães, diretora do MHN; Ana Luiza Grillo Balaciano, Comissão de Identidade e Memória da ARI. Foto do porta-etrog: Jaime Acioli (Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro).

One thought on “Sinagoga ARI contribui para a História do Brasil

  • 7 de junho de 2022 em 13:59
    Permalink

    : Shalom Shalom; Boker Tov:

    : Há Comunidade Judaica no Brasil(em Especial no Rio de Janeiro), deu uma boa Contribuição para o Museu Nacional no Rio de Janeiro, parabéns(Mazal Tov); Associação Religiosa Israelita – ARI – RJ .

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: