Suspensa prisão de palestino em greve de fome

Um tribunal militar israelense suspendeu temporariamente, na sexta-feira, a detenção de um prisioneiro palestino em greve de fome para permitir que ele receba cuidados médicos, pois sua saúde se deteriora rapidamente após quase seis meses sem comida.

Os advogados do agente da Jihad Islâmica, Khalil Awawdeh, no entanto, disseram que ele manterá seu jejum de 168 dias até que seja concedida uma libertação completa.

Israel diz que Awawdeh, é membro do grupo terrorista, uma alegação que ele negou por meio de seu advogado, e nenhuma acusação formal foi feita. O grupo terrorista da Jihad Islâmica Palestina exigiu sua libertação como parte de um cessar-fogo que pôs fim a três dias aos conflitos na Faixa de Gaza no início deste mês, mas não o identificou como membro.

No início desta semana, um tribunal militar israelense rejeitou um apelo para libertar o prisioneiro. Awawdeh apelou para o tribunal superior de Israel, que deve deliberar sobre o assunto neste domingo.

O tribunal que suspendeu sua detenção disse que e prisão será retomada assim que sua condição estiver melhor.

Em resposta à suspensão da detenção, na sexta-feira, o advogado de Awadeh foi citado pela mídia palestina dizendo que sua “greve de fome continuará porque ele está pedindo sua libertação e não a suspensão de sua detenção”.

Awawdeh é um dos vários prisioneiros palestinos que entraram em greves de fome prolongadas ao longo dos anos para protestar contra a chamada detenção administrativa, que permite que Israel mantenha prisioneiros sem acusação formal.

LEIA TAMBÉM

Israel diz que a política ajuda a manter terroristas perigosos fora das ruas e permite que o governo mantenha suspeitos sem divulgar informações confidenciais. Os críticos dizem que a política nega o devido processo legal dos prisioneiros. As detenções devem ser renovadas por um tribunal militar a cada seis meses, e os prisioneiros podem permanecer na prisão por anos por este mecanismo.

Suspender sua detenção, efetivamente, significa que ele não é mais vigiado no hospital pelos guardas do Serviço Prisional de Israel, e sua família poderá visitá-lo mais livremente.

O serviço de segurança Shin Bet não comentou sobre o caso. A Jihad Islâmica também exigiu a libertação de um segundo prisioneiro, Bassem Saadi, cuja detenção foi prorrogada na terça-feira. A prisão no início deste mês de Saadi, líder da Jihad Islâmica, provocou a intensa rodada de combates em Gaza.

Israel detém atualmente cerca de 4.400 prisioneiros palestinos, entre eles terroristas que realizaram ataques mortais, bem como pessoas presas em protestos ou por atirar pedras.

Israel diz que fornece o devido processo legal e aprisiona essencialmente aqueles que ameaçam sua segurança, embora um pequeno número seja mantido por pequenos crimes.

Palestinos e grupos de direitos humanos dizem que o sistema foi projetado para acabar com a oposição e manter o controle permanente sobre milhões de palestinos, negando-lhes direitos básicos.

Fonte: The Times of Israel
Foto ilustrativa: Canva

4 thoughts on “Suspensa prisão de palestino em greve de fome

  • 20 de agosto de 2022 em 21:16
    Permalink

    Israel jamais lhe negou alimentos. Mais do que isso, os prisioneiros podem escolher alimentos de acordo com sua fé.
    Assim, nestas condições, a decisão de não comer é dele a cabe, só a ele escolher viver ou morrer.

    • 21 de agosto de 2022 em 10:10
      Permalink

      MALDITOS assassinam judeus e depois se fazem de santos perante a opinião pública mundial!

  • Pingback: 1.000 presos palestinos anunciam greve de fome - Revista Bras.il

  • 4 de setembro de 2022 em 19:03
    Permalink

    Pena de morte pra estes f.d.p. pegos em flagrante. Ficar sustentando terroristas vagabundos não tem nenhuma logica!

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: