Teste COVID no Aeroporto muda de mãos e preço sobe

A partir de segunda-feira, 1º de novembro, a Omega Company (Check2Fly) dará lugar à Pangeia, que assumirá a operação do teste PCR para Covid-19 no aeroporto Ben Gurion.

A troca segue uma batalha legal que começou quando a Omega, junto com o Hospital Rambam, ganhou uma licitação da Autoridade Aeroportuária de Israel para operar testes no embarque e desembarque de passageiros.

O teste para passageiros que chegam é atualmente operado pela Femi Premium, que substituiu o Omega alguns meses atrás.

Desde então, a Omega permaneceu com a operação dos testes para os passageiros que partem, que agora serão transferidos para Pangea.

O laboratório da Omega continuará a operar no Terminal 1 do Aeroporto Ben Gurion até 21 de novembro, e funcionará em paralelo aos laboratórios de Pangea por três semanas. A partir de quarta-feira, 3 de novembro, a Omega abrirá uma nova estação de testes adicional, no Dizengoff Center, em Tel Aviv, que funcionará de domingo a sexta-feira. Um terceiro laboratório será aberto posteriormente em Ramat Hachaial em Tel Aviv. Neste estágio, esses laboratórios Omega estão oferecendo apenas testes rápidos.

LEIA TAMBÉM

Em última análise, os passageiros terão de pagar mais. Em vez de NIS 40, que é o que a Omega cobra por um teste regular, cujos resultados são recebidos em quatorze horas, a Pangea cobrará NIS 89. O preço de um teste rápido, cujo resultado é recebido em quatro horas, aumentará de NIS 120 a NIS 149.

A própria Omega cobra NIS 135 na estação de testes que abriu recentemente no Azrieli Mall em Tel Aviv para um teste rápido com resultado em quatro horas.

A exigência de passar por um teste para COVID-19 antes de voar para fora de Israel depende do país de destino. Todos os passageiros que voam para os EUA devem passar por testes, mas não aqueles que voam para a França, por exemplo. Os países mudam suas políticas com frequência. Na semana passada, por exemplo, a Itália decidiu impor uma exigência de teste para as chegadas de israelenses de um dia para o outro.

Recomenda-se, entretanto, fazer um teste em qualquer hipótese, nem que seja para evitar o constrangimento de ser considerado positivo no teste realizado no exterior antes de retornar a Israel. Israel exige que todos os passageiros que chegam tenham sido submetidos a um teste dentro de 72 horas do voo para Israel.

Os turistas que vierem a Israel sob o novo plano de entrada de turistas que entra em vigor a partir de 1º de novembro também terão que passar por um teste antes de retornar, conforme exigido por seus países de origem.

Fonte: Hamodia
Foto: TalmoryairCC BY-SA 4.0 (Wikimedia Commons)

 

One thought on “Teste COVID no Aeroporto muda de mãos e preço sobe

Fechado para comentários.