O turismo e a importação do vírus

Um especialista em vírus está preocupado com a importação de novos casos e novas mutações. Outro diz que a infecção extra será mínima e que as variantes entrarão com ou sem turista.

Israel está reabrindo para turistas estrangeiros em 1º de novembro, pela primeira vez desde março do ano passado. Mas será que a mudança representa um perigo para a vitória sobre o  coronavírus duramente conquistada pelo país?

Isso ocorre no momento em que as taxas de vírus estão caindo. Os casos graves caíram para menos de 300 pela primeira vez em 10 semanas, e a taxa de resultados positivos está no menor valor em quatro meses.

Os visitantes vacinados do exterior serão recebidos de volta pelo Aeroporto Ben Gurion, muitas vezes referido como o calcanhar de Aquiles do COVID de Israel, porque é provável que tenha sido a porta de entrada para os primeiros casos de vírus e os primeiros casos de novas variantes, e por causa da falta da confusa aplicação da quarentena e outros procedimentos de saúde para chegadas.

Todas os passageiros devem passar por testes antes de voar para Israel e na chegada. E todos os turistas que chegarem precisarão ser colocados em quarentena até receberem um resultado de teste negativo. Mas os regulamentos estão longe de ser perfeitos. Alguns passageiros podem receber resultados falsos negativos, outras podem em um estágio muito inicial da doença para serem registradas como positivas, mas se tornarem contagiosas mais tarde, e ainda outras podem não cumprir a quarentena adequadamente.

LEIA TAMBÉM

Os especialistas dizem que, enquanto a pandemia persistir, o turismo trará consigo o risco de vírus.

“Não devemos testar muito a imunidade que construímos aqui”, disse a Prof. Gabi Barbash, ex-diretor-geral do Ministério da Saúde, ao The Times of Israel.

Ele não rejeitou a ideia de receber alguns turistas, mas disse temer que a escala da reabertura – que aceita visitantes de todos os países – seja muito grande.

“Não estou em posição de dizer [se está] certo ou errado, mas estou preocupado”, afirmou. “A preocupação é que vamos importar pacientes aparentemente imunes, mas não imunes de fato”.

Barbash está particularmente preocupado com a Rússia, onde as mortes diárias de COVID atingiram um novo recorde, especialmente porque ele duvida da confiabilidade da vacina russa Sputnik V. Israel decidiu reconhecer a vacina a partir de 15 de novembro, apesar de não ter o selo de aprovação da Organização Mundial da Saúde, em um aparente gesto diplomático à Rússia.

De todos os outros países, Israel só aceitará vacinados com Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sinovac e Sinopharm.

Ao contrário de Barbash, o Prof. Eyal Leshem, um especialista em doenças infecciosas do Sheba Medical Center, não está particularmente preocupado.

“O aeroporto não é um ponto fraco hoje, e não tem sido um ponto fraco desde que alcançamos uma alta cobertura de vacinas”, disse ele ao The Times de Israel.

Leshem disse que o coronavírus é transmitido em shoppings, escolas, restaurantes, shows e em outros lugares de Israel. Os voos de chegada são um dos muitos vetores de vírus, mas a menos que o número de passageiros que chegam infectados e não são detectados aumente, isso não afetará significativamente as taxas de vírus, acredita ele.

“Como a gente tem transmissão na comunidade de qualquer maneira, os casos estrangeiros não afetam a situação epidemiológica. Se turistas algumas centenas de turistas infectados entram em Israel, isso não muda a situação do país”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Nati Shohat (Flash90)