União Europeia exige resposta ao antissemitismo

Um importante órgão da União Europeia adotou esta semana uma resolução pedindo uma “resposta judicial forte e sistemática” ao crescente antissemitismo, recebendo aplausos do Ministério de Relações Exteriores de Israel e de vários grupos judeus ao redor do mundo.

O documento de quatro páginas aprovado pelo Conselho da União Europeia urge que as consequências dos crimes de ódio online sejam endurecidas e exorta os estados membros do bloco a adotarem a definição de antissemitismo da International Alliance for Holocaust Remembrance (IHRA), que inclui críticas obsessivas a Israel.

“O antissemitismo, em qualquer de suas formas, é e deve permanecer inaceitável, e todas as medidas devem ser tomadas para combatê-lo, incluindo, quando necessário, através de medidas legais em nível europeu”, diz o documento.

“Os Estados-Membros da União Europeia apoiam iniciativas políticas a nível europeu que visam combater o discurso de ódio antissemita e os atos de violência, bem como a divulgação online de mitos de conspiração antissemitas”, acrescenta.

O documento, oficialmente chamado de “Declaração do Conselho sobre a Integração da Luta contra o Antissemitismo em Todas as Políticas”, cita estudos financiados pela entidade que mostram que o ódio contra os judeus “em todas as suas formas” está aumentando em todo o continente.

LEIA TAMBÉM

“O aumento das ameaças contra os judeus na Europa, incluindo o ressurgimento de mitos de conspiração, expressões públicas de antissemitismo, especialmente no contexto da pandemia COVID-19, e o aumento de incidentes antissemitas e crimes motivados por causa do ódio são motivo de grande preocupação”, diziam as conclusões. “Portanto, garantir a segurança das comunidades e instituições judaicas deve ter a mais alta prioridade em todos os Estados Membros”.

As ações planejadas incluem o diálogo com as comunidades judaicas e a melhoria da segurança das instituições judaicas. “Os crimes cometidos online devem ser punidos da mesma forma que os crimes off-line e devem ser adequadamente tratados por meio de processos eficazes e outras medidas”, exige a declaração.

“Os provedores de serviços de Internet devem remover pronta e consistentemente o discurso de ódio ilegal e o conteúdo terrorista online, de acordo com a estrutura legal e não legal relevante. É necessária uma resposta judicial firme e sistemática aos atos antissemitas”, acrescenta o texto.

O Congresso Judaico Mundial disse que há anos pressiona a UE para reprimir o antissemitismo, saudando as conclusões do Conselho como um “passo crítico”. “A adoção desta declaração pelo Conselho da União Europeia mostra que a Alemanha em sua presidência do Conselho e a liderança da UE como um todo reconhecem o perigo que o antissemitismo e o ódio criam e a ameaça à sociedade e à segurança quando não são combatidos”, disse o presidente do WJC, Ronald S. Lauder.

“Esta declaração é um passo significativo para tornar a Europa um lugar melhor para os judeus”, acrescentou. “A responsabilidade agora recai sobre os Estados membros de aplicar as políticas e os entendimentos estabelecidos pela União Europeia em cada um dos seus países, para garantir que o flagelo do antissemitismo seja tratado, que os perpetradores sejam processados em toda a extensão da lei, e que nossa próxima geração aprenda que o ódio é inaceitável.”

O Conselho da União Europeia – que não é o mesmo que o Conselho Europeu – é considerado um “órgão de decisão essencial da UE”. Representa os governos dos 27 estados membros do bloco e é onde os ministros se reúnem para aprovar leis e coordenar políticas.

One thought on “União Europeia exige resposta ao antissemitismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *