UNRWA mentiu sobre a remoção de discurso de ódio

Um novo relatório de um grupo de vigilância chamado Watchdog afirma que a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA), que atende refugiados palestinos e seus descendentes, não removeu incitação e discurso de ódio de seus materiais educacionais, como havia prometido.

Depois que um relatório da organização IMPACT-se gerou críticas de nações doadoras, a UNRWA admitiu o uso de materiais educacionais racistas e incitadores e disse que todo esse conteúdo foi removido em novembro de 2020. O novo relatório da IMPACT-se mostra que, apesar das alegações da agência de ter corrigido o problema, seus materiais educacionais continuam repletos de discursos de ódio e exortações à violência.

Particularmente problemáticos, disse o relatório IMPACT-se, são os “Cartões de Autoaprendizado” emitidos para alunos da primeira à nona série. Um exercício de grafia para alunos da nona série, por exemplo, condena qualquer acordo de paz entre Israel e países árabes não especificados – provavelmente uma referência aos Acordos de Abraão.

Além disso, os materiais contêm mapas que apagam Israel e fazem referência a toda a região de Israel, a Samaria e Judeia e Gaza como “Palestina”. Israel é referido apenas como “o inimigo” ou “a ocupação”.

LEIA TAMBÉM

Também há afirmações como “a jihad é o caminho da glória” e uma aula de ortografia contendo sangue e violência, referindo-se a “pedaços de cadáveres” nas ruas.

No geral, os materiais colocam uma forte ênfase no nacionalismo palestino, disse o relatório, apesar das reivindicações da UNRWA de neutralidade política.

Marcus Sheff, o CEO da IMPACT-se, disse sobre as descobertas que “a UNRWA garantiu ter removido todo o conteúdo odioso que seus professores escreveram. Infelizmente, como mostra esta pesquisa, esse simplesmente não é o caso”.

“As promessas da UNRWA sobre a remoção do conteúdo foram repetidas de boa fé por governos em todo o mundo”, observou ele. “Mas uma inspeção superficial mostra que suas explicações simplesmente não fazem sentido”.

“Não parece que a organização seja institucionalmente capaz de cumprir seu dever básico de cuidar das crianças em suas escolas”, afirmou Sheff. “Os países doadores precisam começar a fazer perguntas muito mais diretas à UNRWA se quiserem parar de financiar esse ensino de ódio contínuo”.

One thought on “UNRWA mentiu sobre a remoção de discurso de ódio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *