Visita de Biden não terá aperto de mãos

O presidente dos EUA, Joe Biden, não será recebido por uma longa fila de autoridades ​​quando chegar a Israel na tarde de quarta-feira, em uma ruptura com as tradicionais boas-vindas oferecidas aos líderes no passado.

Os ministros foram informados por escrito na segunda-feira que “devido à pressão de agendamento, COVID e o clima quente, o presidente dos EUA não apertará a mão dos convidados na cerimônia de chegada ao aeroporto e não haverá oportunidade para fotografias pessoais”.

Ele será saudado pelo primeiro-ministro Yair Lapid, pelo presidente Isaac Herzog e pelo ex-primeiro-ministro Naftali Bennett, segundo a mídia israelense.

Os pedidos de Biden para uma cerimônia simples no aeroporto foram relatados pela primeira vez no mês passado, com a mídia especulando que poderia ser uma tentativa de evitar a repetição de um incidente que ocorreu em maio de 2017, quando o então deputado Oren Hazan abriu caminho no aeroporto para tirar uma selfie com o então presidente dos EUA, Donald Trump.

Hazan, que era um membro controverso do partido Likud do então primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, não deveria estar entre os designados para apertar a mão de Trump, mas de alguma forma conseguiu entrar na fila.

O incidente atraiu a condenação de outras autoridades israelenses, considerando o fato “uma verdadeira vergonha”.

O calor do verão – as temperaturas na região do aeroporto devem chegar perto de 32ºC quando Biden chegar – e a idade do líder de 79 anos também foram fatores considerados na decisão.

LEIA TAMBÉM

A programação da próxima viagem de dois dias de Biden a Israel e região da Samaria e Judeia foi praticamente finalizada e, embora seja sua décima viagem a Israel, o itinerário incluirá várias novidades para o líder dos EUA.

Após o desembarque na quarta-feira, Biden visitará vários sistemas de segurança israelenses com o ministro da Defesa, Benny Gantz. Este evento seria inicialmente realizado na base da força aérea de Palmachim.

O show-and-tell incluirá uma bateria de defesa antimísseis Iron Dome, em um aceno aos esforços dos EUA para conceder a Israel US$ 500 milhões adicionais em baterias de reposição para o sistema após a guerra de Gaza do ano passado.

A turnê de Biden também incluirá o sistema de defesa de foguetes a laser Iron Beam, projetado para funcionar em conjunto com sistemas como o Iron Dome e derrubar projéteis menores.

O presidente também anunciará sua aprovação para que o complexo militar-industrial dos EUA inicie negociações com colegas israelenses sobre a compra do Iron Beam, disse um funcionário dos EUA.

Após o tour de armas, Biden deverá ir ao museu do Holocausto Yad Vashem em Jerusalém para uma breve visita.

Na manhã de quinta-feira, Biden terá uma reunião com Lapid, após a qual os dois farão declarações à imprensa. Também estará presente para parte desta reunião o antecessor de Lapid, Bennett, que se encontrou com Biden duas vezes durante seu ano como primeiro-ministro.

Nenhum grande anúncio de nenhum dos lados é esperado. Biden deve reservar a maior parte de seus comentários sobre o conflito israelense-palestino para sua reunião de sexta-feira com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

Biden se reunirá com Herzog, seguido de uma breve sessão com o líder da oposição Benjamin Netanyahu, que foi incluída na programação no mês passado para evitar a percepção de que os EUA estavam escolhendo lados antes das eleições israelenses de 1º de novembro.

O presidente deve terminar o dia falando na cerimônia de abertura dos Jogos Macabeus, ao lado de Lapid e Herzog, embora esse evento também esteja aberto a mudanças.

Na manhã de sexta-feira, Biden irá para o Hospital Augusta Victoria, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém Oriental. Será a primeira visita de um presidente norte-americano em exercício à parte predominantemente palestina da capital.

O presidente Biden ficará hospedado no King David Hotel, em Jerusalém, junto com a grande comitiva que deve chegar com ele. Devido ao tamanho da comitiva, alguns de seus membros também ficarão hospedados no Waldorf Astoria Hotel.

Fonte: The Times of Israel