Falha de notificação de testes distorce extensão da doença

O recém-empossado diretor do Ministério da Saúde, Nachman Ash, disse que uma falha temporária tem distorcido o número de testes COVID negativos relatados no Aeroporto Ben Gurion, fazendo parecer que o surto atual está um pouco mais contido do que realmente é.

Nachman Ash, que assumiu o ministério um dia antes, disse a repórteres que, por um período de várias semanas, os testes negativos que foram realizados no Aeroporto Ben Gurion foram acidentalmente contados duas vezes nas estatísticas do Ministério da Saúde.

O número informado incorretamente serviu para diminuir a porcentagem de casos que deram positivo, um número-chave usado pelos tomadores de decisão para determinar a extensão da doença.

O erro começou quando a empresa que realizava testes no aeroporto foi substituída por uma nova em meados de junho, disse Ash. Ele garantiu que o assunto estava sendo resolvido, desde sua recente descoberta.

Ash disse que os números corrigidos serão revelados com a publicação dos números do COVID do Ministério da Saúde, nesta terça-feira.

Ele disse que os dados também serão corrigidos retroativamente no sistema para corrigir todos os números informados nas últimas semanas.

LEIA TAMBÉM

Apesar do número de novos casos diários aumentar de alguns poucos no início de junho para mais de 400 no domingo, a porcentagem de exames que deram positivo permaneceu baixa, raramente chegando a 1%.

Na semana passada, o Ministério da Saúde foi criticado por contar incorretamente o número de pacientes gravemente enfermos. Nesse caso, o número de pessoas hospitalizadas em estado grave foi considerado inflacionado.

O governo tem sido repetidamente criticado pela forma como administra os testes no aeroporto. No mês passado, milhares de passageiros foram autorizados a entrar no país sem serem testados quando as instalações do aeroporto ficaram sobrecarregadas com os passageiros que chegavam. A abertura do aeroporto foi responsabilizada pelo novo surto de Israel.

Durante uma visita ao Aeroporto Ben-Gurion, na manhã de segunda-feira, o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz,  rebateu algumas das críticas sobre a forma como o governo está lidando com os testes.

Horowitz disse que o aumento dos testes no aeroporto teve sucesso em ajudar as autoridades de saúde a “encontrar a variante Delta e impedir sua intrusão”, rejeitando as alegações de que o governo errou ao não fechar totalmente o aeroporto. “Não cometemos erros”.

Ash disse a repórteres que não há nenhum plano atual para instituir novas restrições, apesar da variante Delta tomar conta de Israel enquanto novos casos se acumulam. Ash afirmou que o ministério está “considerando controlar a entrada em grandes eventos internos” como casamentos, dependendo de ser vacinado ou apresentar um teste negativo. Mas ele admitiu que tal plano pode ser difícil de aplicar.

Ash também observou que o ministério já está atento ao início do novo ano escolar, em setembro. Os casos têm sido particularmente altos entre crianças não vacinadas, e os surtos iniciais no mês passado concentraram-se nas escolas.

“Estamos nos preparando para o novo ano letivo junto com o Ministério da Educação”, disse Ash. “O que vai acontecer em setembro depende muito da morbidade naquele momento”, observou ele, acrescentando que “não podemos tomar uma decisão final agora”.

Uma previsão semelhante se dá para o período de feriados entre  Rosh Hashaná e Yom Kipur  “Esperamos não precisar de mais restrições”, disse ele. “Teremos que ver qual é a situação então”.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Flash90

One thought on “Falha de notificação de testes distorce extensão da doença

Fechado para comentários.