Hospitais já se preparam para nova onda

Diante do grande aumento no número de pessoas infectadas com o corona, provavelmente causado pela disseminação da variante Omicron, os hospitais de todo o país estão se preparando para o aumento da morbidade e para reabrir as enfermarias do corona.

Ontem, o Diretor-Geral do Ministério da Saúde, Prof. Nachman Ash, enviou uma carta aos diretores dos hospitais e aos diretores dos planos de saúde com o título “Preparação para a Quinta Onda”, dizendo que “há uma expectativa de taxas de morbidade mais altas do que nas ondas anteriores. Além disso, espera-se uma morbidade de inverno mais significativa do que nos últimos dois anos, e também deve sobrecarregar o sistema”.

O Prof. Ash pediu aos hospitais que se preparassem para a recepção de pacientes corona em enfermarias especiais, e disse que “para evitar dúvidas, qualquer hospital geral deve estar imediatamente pronto para hospitalizar pacientes em uma enfermaria ativa e, quando atingir 80% ocupação, outra ala deve ser aberta”. Além dos pedidos de rotina para proteger e vacinar a equipe médica contra corona e gripe, Ash também pediu para evitar que membros da equipe médica comparecessem a conferências.

Enquanto isso, o aumento de infecções ainda não é perceptível no quadro de morbidade nos hospitais, e ainda é baixo: 130 pacientes corona estão hospitalizados em todo o país, 81 deles em estado crítico, 41 em respiradores, 16 conectados a um dispositivo Ecmo (máquina cardiopulmonar).

O Prof. Arnon Afek, vice-diretor geral do Hospital Sheba, explica que “a variante ainda não é conhecida o suficiente para prever se haverá um aumento no número de hospitalizações. Por outro lado, os dados do Reino Unido são muito preocupantes para nós, porque há um salto entre os gravemente enfermos”, disse ele ao Ynet.

O diretor do Hospital Beilinson, Dr. Eran Rotman, disse que “o que diferencia essa onda das anteriores é o fato de que estamos com as doenças de inverno e já estamos vendo um aumento no número de pacientes com gripe e com pneumonia. Essa combinação com pacientes corona pode criar uma grande carga no sistema de saúde. Isso certamente exigirá muito esforço de nossa parte”.

LEIA TAMBÉM

“Estamos vendo um aumento nos últimos dias no número de infectados com Corona que estão sendo tratados com Regeneron, anticorpos que começamos a dar durante a quarta onda, e é realmente o tratamento que previne doenças graves entre imunocomprometidos e pessoas não vacinadas”.

Rotman acrescentou que “nossa ação é dividida em duas partes. A primeira e não menos importante são as instruções para a equipe evitar que seja infectada pelo Omicron, que provavelmente infecta pessoas vacinadas e em recuperação. Nossa preocupação é com a infecção do pessoal que vai levar à suspensão da atividade nos hospitais, por isso é importante para nós refinarmos as orientações para o pessoal quanto à proteção, vacinação para quem ainda não foi vacinado com uma terceira dose, e às regras de manutenção da distância social dentro e fora do hospital”.

De acordo com Rotman, “no que diz respeito ao hospital, é claro que nos certificamos de que toda a infraestrutura em termos de enfermarias corona esteja preparada para que, se necessário, abramos essas enfermarias especiais. Atualmente, há três pacientes corona hospitalizados. Estamos preparados para uma quinta onda, infelizmente”.

“O principal desafio provavelmente será a combinação de morbidade de inverno e corona, embora não saibamos o quanto o Omicron pode influenciar no aumento na morbidade grave”, enfatizou o Dr. Rotman.

O diretor do Corona da Clalit, Dr. Alon Laufer-Peretz, diz que a Clalit está se preparando para a quinta onda em vários níveis. “Estamos concentrando os paramédicos dos oito distritos da Clalit que são responsáveis ​​pelo monitoramento dos infectados, atividade realizada em ondas anteriores e que inclui receber e avaliar clinicamente os pacientes e orientá-los sobre como agir em caso de alteração do quadro clínico”.

Laufer-Peretz acrescentou: “Também estamos nos preparando nas clínicas para responder com médicos e enfermeiras a novos pacientes infectados, acompanhamento clínico remoto e recuperação no final do período de isolamento. Além disso, estamos intensificando os processos e serviços digitais de absorção e liberação, um processo que facilita o paciente e reduz a sobrecarga da equipe médica”.

Ontem, 1.306 pessoas foram diagnosticadas com corona, em um total de 104.000 testes realizados, com uma taxa de positividade de 1,27%, a maior das últimas semanas. A taxa de infecção subiu para 1,28, indicando uma disseminação mais ampla do vírus, segundo dados do Ministério da Saúde.

Fonte: Ynet
Foto: Canva

One thought on “Hospitais já se preparam para nova onda

Fechado para comentários.