Israel em alerta máximo

Os organizadores da Marcha das Bandeiras do Dia de Jerusalém desviaram o evento depois que a organização terrorista Hamas lançou um ultimato conclamando Israel a retirar todas as tropas do bairro de Shimon Hatzadik (Sheikh Jarrah) e do Monte do Templo em Jerusalém.

Ao mesmo tempo, a organização terrorista também pediu a Israel que libertasse todos os árabes detidos por distúrbios em Jerusalém.

Diante da situação de segurança, o primeiro-ministro Netanyahu convocou o gabinete de segurança e política.

As Forças de Defesa de Israel  (FDI) decidiram bloquear áreas e estradas perto da cerca do perímetro da Faixa de Gaza e instruíram os agricultores a parar todo o trabalho perto da fronteira. Além disso, o serviço de trem foi interrompido entre Beer Sheva e Ashkelon e temporariamente interrompido para Sderot, Netivot e Ofakim, após ordens de oficiais de segurança.

Entre as estradas fechadas estão a Rota 4 entre Zikim e o Kibutz Nir Am, a Rota 34 entre Yad Mordechai e o Kibutz Erez e a Rota 23 entre Mefalsim e a junção Kfar Aza.

LEIA TAMBÉM

Hospitais em todo o país foram colocados em alerta máximo e o governo está se preparando para ataques com foguetes no centro do país. O tráfego aéreo para Israel está sendo desviado pelo norte do Aeroporto Ben Gurion.

As FDI  vão reforçar as tropas estacionadas na fronteira com Gaza. A unidade de reconhecimento de elite Maglan, bem como duas companhias da Escola de Oficiais, se juntarão às forças no sul, disse o exército.

Os reforços estão sendo enviados devido aos ataques de foguete no início do dia, com três projéteis disparados.

No início do dia, os militares israelenses fecharam a passagem de Erez entre Israel e Gaza devido às tensões no sul, incluindo não apenas os ataques de foguetes, mas também os lançamentos de balões incendiários.

As tensões no sul estão aumentando em meio aos confrontos em andamento no leste de Jerusalém, onde, de acordo com os últimos relatórios de médicos palestinos, cerca de 331 manifestantes ficaram feridos.

As tensões na capital aumentaram durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã.

Fontes: Algemeiner e Arutz Sheva
Foto: Olivier Fitoussi (Flash90)

5 thoughts on “Israel em alerta máximo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *