Israel facilita imigração da Ucrânia só para judeus

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, instruiu seu gabinete a facilitar os requisitos de cidadania para as famílias de ucranianos que imigram para Israel, mas apenas se forem judeus de acordo com a lei religiosa, disse o chefe da Administração de Passagem de Fronteiras, População e Imigração de Israel, Yoel Lopovsky, na Knesset na segunda-feira.

Parlamentares presentes, alguns deles imigrantes da antiga União Soviética, protestam contra a política da ministra e a criticaram duramente como discriminatória e sem precedentes.

As observações foram feitas durante uma sessão especial sobre os esforços de Israel para ajudar os judeus ucranianos, realizada no Comitê de Constituição, Lei e Justiça do Knesset e não – como normalmente seria – no Comitê de Imigração, Absorção e Diáspora, pois esse grupo parlamentar ainda não foi formado devido a divergências entre a coalizão e a oposição. A ministra de Imigração e Absorção, Pnina Tamano-Shata, chamou a falta de um comitê de imigração de “um fracasso e até negligência” à luz da situação atual.

Desde que a Rússia lançou sua ofensiva na quinta-feira, mais de 10.000 ucranianos entraram em contato com a Agência Judaica, que facilita a imigração para Israel,  com cerca de um terço deles perguntando especificamente sobre a mudança imediata para Israel, disse Tamano-Shata.

De acordo com a Lei de Retorno de Israel, as famílias imediatas daqueles elegíveis para imigrar para Israel – qualquer pessoa que tenha um pai ou avô judeu – também podem receber a cidadania israelense, desde que imigrem juntos. Normalmente, as famílias viajam juntas. No entanto, como a Ucrânia vem recrutando homens adultos, muitos deles estão sendo forçados a ficar para trás enquanto suas famílias vão para Israel sem eles. Em circunstâncias normais, se um homem fosse o único membro da família elegível para a imigração – se ele fosse neto de um judeu, mas não judeu, por exemplo, pois o judaísmo passa pela linha materna – o resto de sua família não seria capaz de obter a cidadania sem ele.

Mas em uma audiência sobre como Israel está ajudando os judeus da Ucrânia, Yoel Lipovsky disse aos legisladores que Shaked havia instruído o ministério a suspender temporariamente a exigência de que a família devesse chegar junto, mas apenas se a pessoa elegível para a cidadania for judia de acordo com a lei ortodoxa.

LEIA TAMBÉM

“Se o elegível é judeu, mas não está imigrando para Israel, sua família não pode, normalmente, receber o status de imigrante. Agora, a ministra do Interior aprovou dar o status de imigrante à sua família, mesmo que ele permaneça lá, devido à exigência de recrutamento para homens na Ucrânia. No caso de uma família em que o membro elegível não é judeu, a família não pode imigrar sem ele”, disse Lipovsky ao comitê.

O chefe do Comitê de Constituição, Lei e Justiça, Gilad Kariv, que é um rabino reformista, disse estar chocado com a política de Shaked e pediu que ela fosse revisada.

“Esta é a primeira vez que ouço falar de diferenciação entre judeus e não-judeus que são elegíveis sob a Lei do Retorno. As pessoas elegíveis para retornar estão todas no mesmo barco. Não conheço nenhum precedente para um ministro tomar uma decisão que diferencie assim quem é elegível sob a Lei do Retorno”, disse Kariv.

A deputada Yulia Malinovsky, ela mesma uma imigrante da Ucrânia, também denunciou a política, dizendo que “não aceitaria considerar os judeus como ‘Grau A’ ou ‘Grau B’”.

Tamano-Shata, a ministra da imigração, no entanto, apoiou a política. “Se alguém é cristão e elegível sob a Lei do Retorno e não vier a Israel, sua família não receberá a cidadania”, disse ela.

Lipovsky também discutiu a política de Shaked com o Comitê de Finanças da Knesset. Lá, também, os legisladores, particularmente aqueles que imigraram da antiga União Soviética, questionaram a diferenciação entre candidatos judeus e não judeus.

“Peço à ministra que repense essa questão porque, em última análise, são pessoas que podem imigrar para Israel sob a Lei do Retorno e estamos em situação de emergência. Essa dicotomia não me parece justa. Se não queremos dar a eles o status de imigrante imediatamente, encontre outra maneira, mas é inaceitável que pessoas que normalmente podem imigrar para Israel não possam em tempos de emergência”, disse o deputado Alex Kushnir.

Durante a sessão no Comitê de Constituição, Lei e Justiça, Tamano-Shata e o diretor-geral de seu ministério disseram que estavam se preparando para um grande afluxo de imigrantes da Ucrânia.

“Agora temos 12 mil leitos prontos para receber imigrantes. Os chefes dos conselhos locais e da associação de hotéis estão preparados. O Ministério das Finanças também está preparado, e não haverá problemas orçamentários”, disse.

O diretor-geral de seu ministério, Ronen Cohen, disse que eles anteciparam a chegada de um grande número de imigrantes “à medida que os canhões continuam disparando”. Ele disse que o ministério está trabalhando para garantir um “aterrissagem suave” para esses novos imigrantes, permitindo que eles fiquem em um hotel no primeiro mês e garantindo que recebam uma doação inicial de NIS 15.000 (US$ 4.679).

O ministro de Assuntos da Diáspora, Nachman Shai, disse que a situação devastadora na Ucrânia está unindo a comunidade judaica internacional.

“Quanto mais a consciência da sociedade israelense sobre a situação dos judeus que vivem na Ucrânia e dos israelenses de lá cresce, e quanto mais lidarmos com isso, veremos um de nossos objetivos realizado, que é o sentimento de que todos os judeus são responsáveis ​​uns pelos outros”, disse Shai. “A solidariedade judaica, sobre a qual falamos muito, está recebendo uma nova definição e sendo reformulada para o século 21”.

O ministério de Shai alocou NIS 10 milhões (US$ 3,12 milhões) para a comunidade judaica na Ucrânia e espera alocar outros NIS 10 milhões no futuro tanto para judeus ucranianos quanto para comunidades judaicas nos países vizinhos, que estão desempenhando papéis fundamentais no fornecimento de abrigo e ajuda aos milhares de refugiados judeus ucranianos que chegam às suas fronteiras.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Noam Moskowitz (Knesset)