Israel limitará número de refugiados não elegíveis

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, disse nesta segunda-feira que Israel colocará um limite no número de refugiados ucranianos que não são elegíveis para imigrar, mas não indicou qual seria esse número.

“Aprovaremos algum tipo de limite humanitário para pessoas que não são elegíveis sob a Lei do Retorno”, disse Shaked à rádio Kan esta manhã. “Nos próximos dias vou formular uma política organizada, porque temos que colocar essa situação em ordem”.

Shaked se recusou a especificar qual seria o número de refugiados ucranianos que não são elegíveis para se tornarem cidadãos que Israel estará disposto a aceitar. Acredita-se que ela seja a favor de colocar o limite de entrada o mais baixo possível, enquanto o ministro do Exterior, Yair Lapid, deve querer que Israel aceite um número maior.

A Autoridade de População e Imigração disse que, desde o início da guerra em 24 de fevereiro, 2.792 cidadãos ucranianos chegaram a Israel; 129 deles tiveram sua entrada negada por razões não especificadas.

Ao longo do mês de fevereiro, 3.226 ucranianos desembarcaram em Israel; 248 deles tiveram a entrada negada, disse a autoridade.

Sob a Lei do Retorno, qualquer pessoa com pelo menos um avô judeu é elegível para se tornar um cidadão israelense.

Shaked afirmou que apenas cerca de 10% daqueles que entraram em Israel desde o início da guerra são elegíveis para cidadania. A ministra disse que o principal objetivo de Israel é absorver judeus fugitivos e outros que possam se tornar cidadãos, e não todos os refugiados.

LEIA TAMBÉM

“Israel tem um enorme desafio para absorver aqueles que são elegíveis sob a Lei do Retorno”, disse ela. “Esperamos dezenas de milhares, podemos chegar a centenas de milhares se um grande número vier da Rússia e de outras nações ex-soviéticas. Essa é a nossa missão central”.

Apesar de a Ucrânia possuir uma grande comunidade judaica, não está claro se tal número se materializará, e a Agência Judaica indicou que não parece haver uma onda de imigração russa em andamento.

Embora Israel esteja focado em se preparar para uma onda de novos imigrantes, “é claro que, como nação ocidental, também acolheremos refugiados em geral”, disse ela.

Shaked disse que uma nova política será anunciada nos próximos dias e, enquanto isso, qualquer refugiado ucraniano que apareça em Israel pode entrar com visto de turista após uma breve inspeção. Atualmente, os refugiados ucranianos sem parentes de primeiro grau em Israel devem fazer um depósito de NIS 10.000, a ser devolvido a eles na saída.

O depósito é mantido como uma garantia de que os ucranianos eventualmente deixarão Israel, já que o país raramente concede o status de refugiado a não-judeus, mas permite a entrada temporária como turistas.

O ministro de Assuntos da Diáspora, Nachman Shai, que viajou para a Polônia na segunda-feira, pediu o cancelamento da exigência de depósito, chamando-a de “ilógica e desumana”.

“Vemos que a maioria das pessoas que estão vindo é parente de israelenses, o que é compreensível”, disse Shaked. “Mas nos próximos dias teremos que formular algum tipo de critério, para conceder vistos de trabalho a um certo número de pessoas. A situação está mudando dia a dia”.

De 2018 a 2021, mais de 15.000 ucranianos foram impedidos de entrar, muitos deles devido a temores de imigração ilegal, informou o Haaretz. Às vésperas da guerra, os ucranianos representavam quase uma em cada quatro pessoas em Israel com vistos vencidos, disse o jornal.

Shaked afirmou que “não há país que possa abrir suas portas para quem quiser sem limite, principalmente um país pequeno como Israel”.

Aproximadamente 400 novos imigrantes da Ucrânia desembarcaram em Israel no domingo em voos da Polônia, Moldávia e Romênia.

A ONU estima que mais de 1,5 milhão de pessoas fugiram da Ucrânia desde que a Rússia iniciou sua invasão no mês passado. A maioria saiu pela Polônia.

Fonte: The Time of Israel
Foto (ilustrativa) President.gov.uaCC BY 4.0 (Wikimedia Commons)

One thought on “Israel limitará número de refugiados não elegíveis

Fechado para comentários.