Israelenses protestam contra invasão russa

Centenas de israelenses saíram às ruas, apesar da forte chuva, para protestar contra a invasão da Ucrânia na frente da embaixada russa em Tel Aviv na noite de quinta-feira.

Os manifestantes seguravam gigantescas bandeiras ucranianas e cartazes denunciando o presidente russo Vladimir Putin enquanto gritavam slogans como “Putin é o novo Hitler” e “Pare Putin, pare a guerra”.

Vários manifestantes queimaram passaportes russos, segundo a Ynet.

Os motoristas que passavam buzinavam e gritavam seu apoio ao protesto. De acordo com o Canal 13, muitos dos manifestantes também têm raízes ucranianas e têm familiares no país.

“Honra aos heróis, honra à Ucrânia”, cantavam os manifestantes.

A polícia prendeu quatro pessoas que supostamente estavam envolvidas em pichações na parede externa da embaixada durante o protesto.

“A polícia permitirá liberdade de expressão e liberdade de protesto, mas não permitirá violações da lei e da ordem pública”, disse o departamento de polícia local em comunicado.

LEIA TAMBÉM

Um protesto semelhante também foi realizado do lado de fora do consulado russo em Haifa. Alguns manifestantes escalaram a porta do prédio e jogaram tomates nele, informou o site de notícias Walla.

Ao lado de suas expressões de raiva pela campanha russa, os manifestantes também expressaram desapontamento com a resposta cautelosa de Israel.

Mais cedo na quinta-feira, o primeiro-ministro Naftali Bennett evitou condenar a invasão russa da Ucrânia, ou mesmo mencionar a Rússia pelo nome, em seus primeiros comentários desde o início da incursão.

“A ordem mundial, como a conhecemos, está mudando”, disse ele, falando em uma cerimônia de formatura para oficiais das FDI no sul de Israel. “O mundo está muito menos estável e nossa região também está mudando a cada dia”.

“Estes são tempos difíceis e trágicos”, disse o primeiro-ministro. “Nossos corações estão com os civis no leste da Ucrânia que foram apanhados nesta situação.”

As declarações contrastaram com a condenação do ministro do Exterior, Yair Lapid, que horas antes qualificou a invasão como uma “grave violação da ordem internacional”, na mais dura e direta condenação de Jerusalém a Moscou desde que a crise no Leste Europeu começou.

As Nações Unidas anunciam que estão alocando imediatamente US$ 20 milhões para ampliar as operações humanitárias da ONU na Ucrânia, após a invasão da Rússia.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, diz que seu país foi deixado sozinho para lutar contra a Rússia depois que o Kremlin lançou uma invasão em larga escala que matou mais de 150 ucranianos no primeiro dia e deixou mais de 300 pessoas feridas.

O Conselho de Segurança da ONU votará nesta sexta-feira uma resolução que condenaria a agressão militar da Rússia contra a Ucrânia “nos termos mais fortes”. Também exigiria a suspensão imediata da invasão da Rússia e a retirada de todas as tropas russas.

O Pentágono anunciou que os Estados Unidos enviarão mais 7.000 soldados para a Europa, com base na Alemanha, em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Gil Cohen Magen (Shutterstock)

3 thoughts on “Israelenses protestam contra invasão russa

  • 25 de fevereiro de 2022 em 12:25
    Permalink

    Se sao ucranianos ou parentes de ucranianos pode-se entender essa reacao deles. Agora, se sao israelenses deve ser por ignorancia! Esses ucranianos fizeram a maior matanca de judeus na II Guerra Mundial! Receberam os nazistas com flores e foram guardas voluntarios nos campos de concentracao!!
    Esse grito que fizeram aqui e uma saudacao nazista instituido por Bandera, lider ucraniano anti-semita que liderou os massacres de judeus!! Mais de 100.000 judeus foram massacrados apos 1941. E hoje a grande maioria dos ucranianos faziam passeatas de apoio aos anti-semitas de entao cantando essa estrofe que agora esses ucranianos que foram recebidos como “judeus” aqui com toos os beneficios fazem tambem!! Que absurdo!!!!!
    A ignorancia e terrivel e infelizmente a maioria dos judeus nao sabem isso!! Porque o comentarista desta revista nao esclarece aos leitores isso???!!!!

  • 25 de fevereiro de 2022 em 15:23
    Permalink

    Que informação grave!

  • Pingback: “Como posso ser nazista?”, pergunta Zelensky - Revista Bras.il

Fechado para comentários.

%d blogueiros gostam disto: