Lituânia lança projeto para homenagear torturador

Os legisladores lituanos querem fazer de 2021 o ano de Juozas Luksa-Daumantas, um nacionalista acusado de participar do massacre de Lietukis Garage, em Kaunas, em 1941, no qual os habitantes locais torturaram e espancaram dezenas de judeus até a morte.

A Comissão de Educação e Ciência do parlamento apresentou a proposta em 23 de junho em um projeto de resolução intitulado “Ano de 2021” como o ano de Juozas Luksa-Daumantas.

Um sobrevivente, Aleks Faitelson, disse em um livro de 2006 que várias testemunhas viram Luksa-Daumantas participando dos assassinatos. Outro, o ex-presidente da Associação de Judeus Lituanos em Israel, Joseph Melamed, escreveu em um livro de 1999 que sua pesquisa o levou a identificar Luksa-Daumantas em uma fotografia da cena do massacre. Melamed morreu em 2017.

Alguns dos autores posaram para fotos, alguns exibindo as barras de ferro que usavam como armas de assassinato. Algumas vítimas foram detidas enquanto seus torturadores explodiam jatos de água de uma mangueira de alta potência em suas gargantas, causando-lhes afogamento ou morte por sangramento interno.

LEIA TAMBÉM

Os advogados de Luksa-Daumantas, que foi morto em 1951 pelos serviços de segurança soviéticos, negam essas acusações. Dizem que ele era um patriota que lutou contra a ocupação soviética.

A resolução busca a alocação de recursos para ensinar às crianças em idade escolar o heroísmo de Luksa-Daumantas.

Dovid Katz, um crítico da veneração de colaboradores na Lituânia, pediu ao parlamento da Lituânia que rejeite a proposta. “Não há boas razões para essa escolha em uma democracia sólida da UE”, escreveu ele no Defending History, um jornal online que ele fundou sobre como a Europa comemora o Holocausto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *