Ministério da Saúde afirma que crianças têm maior chance de contrair vírus

De acordo com um estudo do Ministério da Saúde de Israel apresentado nesta quarta-feira, as crianças são mais propensas a contrair o coronavírus do que os adultos e podem transmiti-lo a outras pessoas, o que lançou dúvidas sobre as alegações que haviam demonstrado que os jovens teriam menos probabilidade de pegar ou espalhar a doença.

Com base nisso, o Ministério alertou que o envio de crianças de volta às escolas em um momento de alta morbidade do COVID-19 “pode ​​acelerar a propagação do vírus”.

Israel está diminuindo gradativamente a segunda paralisação do coronavírus de mais de um mês e reabriu jardins de infância e pré-escolas na semana passada. A rápida reabertura das escolas após o primeiro lockdown no final de maio, em parte com base em dados que indicavam que era relativamente pouco provável que crianças pegassem ou espalhassem o vírus, levou a um aumento implacável nas taxas de infecção que forçou uma segunda quarentena em todo o país.

Oito por cento dos 678.000 testes COVID-19 realizados em crianças com menos de 17 anos entre 27 de janeiro e 24 de setembro foram positivos, de acordo com o estudo. Isso foi 2% maior do que a taxa dos cerca de 2,6 milhões de testes realizados em adultos durante o mesmo período.

LEIA TAMBÉM

Os testes sorológicos, que procuram anticorpos para determinar se alguém já teve o vírus, foram ainda mais fortes, mostrando uma taxa positiva de 7,1% entre as crianças, em comparação com uma taxa de 1,7% a 4,8% entre os adultos de 28 de junho a 14 de setembro.

Os resultados ressaltaram o risco representado pela reabertura não gradual das escolas, especialmente em áreas com altas taxas de infecção, como aconteceu em algumas comunidades ultraortodoxas em todo o país nesta semana.

O estudo israelense está em desacordo com algumas avaliações internacionais amplamente divulgadas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) observou no mês passado que o papel das crianças na transmissão do COVID-19 “ainda não foi totalmente compreendido”. E acrescentou: “Até o momento, poucos surtos afetando crianças ou escolas foram relatados” e “o pequeno número de surtos relatados entre o corpo docente sugere que a disseminação de COVID-19 dentro de ambientes educacionais pode ser limitada”.

Em contraste, outra pesquisa desafiou as avaliações iniciais de que as crianças têm uma probabilidade significativamente menor do que os adultos de se infectarem com COVID-19.

Em reação ao relatório do Ministério da Saúde, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu expressou surpresa com o fato de os especialistas em saúde terem aprovado a abertura de jardins de infância e pré-escolas na semana passada. Os alunos da primeira série em diante continuam a estudar virtualmente, em conformidade com as diretrizes de saúde do governo, mas os líderes ultraortodoxos ordenaram que as escolas primárias religiosas retomassem às aulas, apesar das altas taxas de infecção na comunidade.

“As crianças estão definitivamente pegando o vírus e também o espalhando. Como a maioria deles não apresenta sintomas, é difícil identificar uma proporção significativa deles que é portadora do vírus e pode ser fonte de infecção para outras pessoas”, afirma o relatório do Ministério da Saúde.

Além disso, o estudo garante que o retorno das crianças às escolas, “principalmente em um momento de morbidade generalizada, pode acelerar a disseminação do vírus, tanto em diferentes faixas etárias quanto em diferentes áreas geográficas”.

O relatório recomendou uma reabertura “gradual” do sistema de ensino com base no nível de morbidade para diferentes grupos etários e em diferentes áreas geográficas.

Nos testes sorológicos, as crianças que conseguiram determinar de quem contraíram o vírus relataram que haviam sido infectadas por um adulto em 80% dos casos, enquanto os 20% restantes afirmaram ter contraído COVID de um amigo.

No entanto, o relatório determina que as crianças podem atuar como “super propagadores”, uma vez que entre 51% e 70% delas não apresentam sintomas do vírus. Em 17 casos rastreados pelo Ministério da Saúde, as crianças infectadas infectaram mais de 10 colegas.

Na quarta-feira, os ministros discutiram a possibilidade de reabrir escolas primárias em todo o país no final do mês, embora o Ministério da Saúde tenha exigido uma abordagem lenta e cuidadosa.

A rápida reabertura de escolas no final da primeira paralisação em maio foi apoiada por um relatório científico que mostrava que as crianças em idade escolar eram as menos propensas a contrair ou transmitir o vírus. Essa abertura foi responsabilizada por contribuir para a volta da pandemia, e o relatório divulgado na quarta-feira mostrou um aumento significativo nas taxas de infecção entre crianças e adultos após a reabertura das escolas em 1º de setembro.

Fonte e foto: Itongadol

One thought on “Ministério da Saúde afirma que crianças têm maior chance de contrair vírus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *