Museu conta a história dos judeus de Cingapura

A história judaica de Cingapura é visível em suas ruas. Há a Manasseh Lane e a Meyer Road, em homenagem ao influente Manasseh Meyer, um judeu de Bagdad e líder da comunidade judaica que ajudou a abrir duas de suas sinagogas sefarditas.

Ao longo da Middle Road, prédios do século 19 com estrelas de Davi e os nomes dos empresários judeus que os construíram se alinham na rua, marcando o que costumava ser o “Mahallah”, ou bairro judeu, onde 1.500 judeus viviam em meados do século 20.

De fato, na cidade-estado de 5,7 milhões de habitantes do sudeste asiático – principalmente imigrantes de etnia chinesa, malaia e indiana e apenas 2.500 judeus – inúmeras vias e monumentos têm nomes de judeus influentes do passado e suas conquistas.

Mas em seus 200 anos de rica história, os judeus de Cingapura nunca tiveram um lugar próprio para mostrar a história de seu povo, até agora. No antigo Mahallah e no andar térreo do centro comunitário Jacob Ballas – nomeado em homenagem ao filantropo judeu iraquiano que presidiu a bolsa de valores de Cingapura e Malásia na década de 1960 – um novo museu conta a história completa da comunidade judaica mais antiga do Sudeste Asiático, começando com a chegada do primeiro judeu em 1819.

O Museu Judeus de Cingapura captura a história de uma comunidade que cresceu e diminuiu em tamanho, mesmo que Cingapura tenha crescido rapidamente. Durante grande parte dos séculos 19 e 20, a população judaica local era composta em grande parte por emigrantes do Iraque e da Europa que vieram para Cingapura para fugir do antissemitismo e buscar o comércio. Em meados do século 20, antes da Segunda Guerra Mundial, a comunidade cresceu para 1.500 judeus antes de iniciar um declínio acentuado; menos de 200 viviam lá na década de 1960.

Hoje, 2.500 judeus vivem em Cingapura. Mas mesmo que algumas das antigas famílias de comerciantes de Baghdad permaneçam, a maioria dos judeus locais agora são uma mistura diversificada que vieram para investir em um dos centros tecnológicos e financeiros do mundo.

LEIA TAMBÉM

O museu destaca uma época em que algumas das figuras mais importantes de Cingapura eram judeus, como David Marshall, que se tornou o primeiro ministro-chefe da cidade-estado em 1955. Os visitantes podem escanear códigos QR para ouvir as vozes e discursos de Marshall e outras figuras.

Durante o processo de curadoria do museu, foram encontradas fotografias de propriedades judaicas desconhecidas, como um resort no oeste de Cingapura que foi completamente demolido para dar lugar ao que é hoje o coração industrial de Cingapura.

Uma exibição de objetos religiosos judaicos tradicionais, incluindo uma menorá, castiçais, um Tanach centenário e a cópia pessoal do “Livro dos Salmos” do falecido Jacob Ballas, juntamente com seu conjunto de talit e tefilin. Baseado em um livro encomendado pela comunidade e publicado em 2007, o museu é o produto de três anos de trabalho e preparação apenas atrasados pela pandemia.

“Esperamos que a história de nossos antepassados, a maioria dos quais fugiu da perseguição do Iraque para se estabelecer e prosperar em Cingapura, seja um lembrete da importância de acolher estranhos em nosso meio e de fortalecer a unidade e a solidariedade entre adeptos de diferentes religiões”, disse Nash Benjamin, presidente do Conselho de Bem-Estar Judaico.

A exposição também está disponível para todos por meio de um tour virtual no site do museu, onde os visitantes podem passear pelo museu e interagir com a exposição digitalmente. Para os membros da comunidade não-judaica de Cingapura, uma seção do museu é dedicada a ilustrar festivais, cultura e religião judaicas.

A comunidade é dividida principalmente entre as duas sinagogas ortodoxas sefarditas construídas há mais de 100 anos, Maghain Aboth e Chesed-El, além de uma congregação menor composta principalmente de judeus asquenazitas.

Cingapura, conhecida mundialmente por uma legislação severa, teve níveis “muito altos” de restrições governamentais à religião em 2019, de acordo com o Índice Global de Restrição do Governo, apesar de sua garantia constitucional de liberdade religiosa.

Segundo Nash Benjamin, que liderou a construção do museu, a comunidade judaica sempre se sentiu segura, protegida e apoiada pela comunidade e pelo governo de Cingapura, cujo Conselho do Patrimônio Nacional concedeu até 40% do financiamento ao Museu Judaico de Cingapura.

Fonte: JTA
Foto: Revista Bras.il

One thought on “Museu conta a história dos judeus de Cingapura

Fechado para comentários.