Peregrinos infectados voltam de Uman com testes falsos

Dezenas de peregrinos infectados com coronavírus viajaram de volta para Israel, vindos de Uman, na Ucrânia, na quinta-feira, usando resultados de testes negativos forjados.

Os recém-chegados infectados pelo vírus identificados pela polícia foram transportados para suas casas para quarentena obrigatória em ambulâncias e, mais tarde, serão processados.

A Autoridade de Fronteiras e Imigração disse em um comunicado que recebeu informações de que dezenas de pessoas com teste positivo na Ucrânia embarcaram em aviões com teste falso-negativo.

Em um voo de Kiev foram encontrados 13 passageiros que haviam forjado testes, informou o site Ynet. Os passageiros foram mantidos separados dos demais no avião e foram imediatamente interrogados pela polícia ao chegarem a Israel.

Fontes disseram ao site Ynet que alguns peregrinos com teste positivo conseguiram sair dos hotéis de quarentena locais antes do fim do isolamento obrigatório de dez dias e, depois de viajar para Kiev, conseguiram obter testes falsos para embarcar nos aviões de volta a Israel.

O primeiro-ministro Naftali Bennett disse na noite de quinta-feira que as autoridades apresentarão acusações criminais contra os infratores e que outras ações estão sendo consideradas.

LEIA TAMBÉM

“O governo israelense tem uma visão muito séria dos pacientes que entram em Israel de forma fraudulenta, falsificando documentos e disseminando doenças deliberadamente, o que constitui um ato irresponsável de prejudicar a paz pública”, disse o Gabinete do Primeiro Ministro em um comunicado.

De acordo com o comunicado, o primeiro-ministro disse que qualquer pessoa que foi infectada com COVID-19 e voltou de Uman usando documento falso será processada em toda a extensão da lei, incluindo possíveis acusações de fraude, falsificação e disseminação deliberada de doenças.

Esses indivíduos serão forçados a pagar por ambulâncias ou outro transporte para levá-los para casa para uma quarentena que durará dez dias. O isolamento será imposto pela polícia, disse o comunicado. Aqueles que não puderem se isolar em casa serão levados para um dos hotéis de quarentena operados pelo estado.

Além disso, os infratores da quarentena podem ser presos, alertou o Gabinete do Primeiro Ministro, e está sendo considerada a aplicação de regras especiais que exigem que as pessoas infectadas que retornem de Uman entrem em quarentena por 14 dias completos.

Em um esforço para interceptar o maior número possível de pessoas infectadas antes de viajarem de volta a Israel, o serviço de emergência Magen David Adom, sob os auspícios do Gabinete do Primeiro Ministro e do Ministério das Relações Exteriores, montou uma estação de teste de vírus em Uman que poderia processar 15.000 amostras e dar resultados em meia hora.

No entanto, o MDA relatou que apenas 2.000 pessoas compareceram para fazer o teste, com a maioria dos peregrinos preferindo usar as instalações de teste locais. Entre os testes do MDA, a taxa positiva foi de mais de 13 por cento, um número duas vezes e meia maior do que a taxa atual na população de Israel.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Yossi Zeliger (Flash90)