Turistas proibidos de entrar em Israel por 14 dias

O gabinete de coronavírus se reuniu na noite de sábado e aprovou novas restrições para evitar a propagação da variante COVID-19 Omicron.

Segundo as novas regras que entrarão em vigor na noite de domingo, cidadãos estrangeiros não poderão entrar em Israel por 14 dias, a menos que recebam permissão especial do governo. Israel reabriu ao turismo estrangeiro no início de novembro, pela primeira vez desde o início da pandemia.

Os ministros também expandiram a quarentena obrigatória para israelenses vacinados que chegam do exterior e deram à agência de segurança Shin Bet o sinal verde para retomar o rastreamento de pessoas infectadas.

Os israelenses vacinados – que segundo as regras existentes tem que fazer um teste de coronavírus ao pousar e permanecer em isolamento até receber um resultado negativo – agora serão obrigados a entrar em quarentena por 72 horas e fazer outro teste COVID no terceiro dia após a chegada.

Viajantes não vacinados devem permanecer em quarentena por pelo menos uma semana, podendo deixar o isolamento ao receberem resultado negativo do teste realizado no sétimo dia.

Os israelenses vindos de países “vermelhos”, de alto risco, terão que ficar em quarentena em hotéis administrados pelo estado até que recebam um resultado negativo no teste de vírus.

LEIA TAMBÉM

Os ministros discutiram sobre as restrições durante a reunião, com o ministro da Justiça Gideon Sa’ar e a ministra da Educação Yifat Shasha-Biton se opondo a limitações estritos para conter a variante Omicron.

Durante a reunião, o primeiro-ministro Naftali Bennett disse que Israel precisa ser cauteloso e minimizar os riscos em meio à incerteza sobre a nova variante do Omicron COVID-19,

“Estamos atualmente em um período de incertezas. Não é um lugar simples ou confortável para se estar”, disse Bennett.

“A chave aqui é cautela e riscos mínimos até aprendermos mais. Queremos manter a tremenda conquista de Israel durante a onda Delta – um Israel aberto e funcional, com uma economia funcional e um sistema educacional ativo com crianças indo à escola. Essa é a principal prioridade”, disse Bennett.

“Para isso, precisamos manter um controle rígido sobre as fronteiras do país”, disse Bennett. “A cada dia, aprenderemos mais e saberemos mais”.

Bennett disse que tinha falado com os CEOs da Pfizer e Moderna na noite de sábado, bem como altos funcionários do Ministério da Saúde e importantes especialistas em saúde.

Ele pediu aos israelenses que sejam vacinados e tomem doses de reforço, mesmo que tenham se recuperado do vírus, e disse que as crianças devem ser vacinadas antes do feriado de chanucá, que começa na noite deste domingo.

“É exatamente a hora de se vacinar. Esta é a oportunidade de proteger sua família, seus filhos e você mesmo. Quem não teve um reforço está abrindo mão de uma camada vital de defesa em um momento crítico”, disse ele.

O gabinete do coronavírus se reuniu depois que notícias da variante levantaram bandeiras vermelhas em todo o mundo, no fim de semana, e pelo menos um caso foi confirmado em Israel.

O Ministério da Saúde confirmou um caso da nova variante do Omicron COVID-19 em Israel no sábado, e relatou sete infecções suspeitas, incluindo três pessoas que não viajaram recentemente para o exterior, aumentando o temor de transmissão comunitária dentro de Israel.

O caso confirmado voltou recentemente de uma viagem ao Malawi, e os outros quatro casos suspeitos voltaram de viagens internacionais nos últimos dias.

Três dos casos suspeitos foram vacinados e quatro não foram inoculados. Todos aguardavam os resultados do teste de vírus.

O caso confirmado de infecção viajou em um ônibus antes de ser diagnosticado, potencialmente expondo outros passageiros à variante. Os rastreadores de contato identificaram metade dos passageiros na noite de sábado.

O Comando da Frente Interna das FDI tenta localizar 800 casos potenciais para cortar rapidamente qualquer cadeia de infecção da variante, que se teme ser mais infecciosa do que as cepas anteriores.

Os casos potenciais serão encaminhados imediatamente para auto-isolamento e os soldados do Comando da Frente Interna realizarão os testes de vírus em casa, disse Bennett.

O Ministério da Saúde designou 50 países africanos como países “vermelhos” devido ao alto risco de transmissão do Omicron, representando todos menos quatro países do continente.

Egito e Marrocos, que têm laços diplomáticos importantes com Israel, ficaram de fora da lista. O Marrocos assinou um acordo de defesa com Israel na semana passada, em um grande avanço nas relações diplomáticas entre os dois países.

Israel proibiu viagens de Israel para países vermelhos, com algumas exceções que o Ministério do Interior decidirá caso a caso. Todas as chegadas de países vermelhos serão colocadas em quarentena, incluindo aquelas que foram vacinadas ou recuperadas do COVID-19, disse o Ministério da Saúde.

Não-cidadãos de países vermelhos não terão permissão para entrar em Israel, com algumas exceções.

Cidadãos vindos da África do Sul, Etiópia, Botswana e Malawi precisarão ficar em quarentena em um hotel designado até que recebam um resultado negativo do teste de PCR. Outros países africanos serão incluídos na lista de quarentena obrigatória na segunda-feira.

Os viajantes que estão deixando Israel para outras áreas serão obrigados a declarar formalmente que não irão para os países vermelhos.

Viajar para países vermelhos, ou tentar fazê-lo, sem permissão especial, resultará em uma multa de NIS 5.000.

As novas restrições devem durar algumas semanas, até que as autoridades tenham uma melhor compreensão da ameaça representada pela variante Omicron.

Além do aeroporto, outra área de preocupação é o sistema educacional, onde as autoridades de saúde temem que o surto seja mais proeminente.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Tomer Neuberg (FLASH90)

One thought on “Turistas proibidos de entrar em Israel por 14 dias

Fechado para comentários.