Em memória à Diana Raz Z”L

Por Janine Melo

“Uma mulher foi assassinada hoje”, disseram todos os jornais do país enquanto eu bebia café. Terapeuta matrimonial, mãe de quatro filhos, casada com um policial. Mais uma mulher foi assassinada hoje. Eu saio para dar um passeio e vejo os rostos chocados de todos os transeuntes no caminho. Gente sentada no parque, falando sobre o caso, sobre o quanto “nunca se sabe”. Eu olho para eles aborrecida, e me pergunto se eles realmente acreditam nessa frase clichê que acabaram de dizer.

Quando eu era pequena, eu tinha um escritório. Desculpe, meu avô tinha um escritório. Na parte sul do quarto havia uma longa escrivaninha cheia de papéis importantes, e à sua frente uma mesinha, com uma cadeira baixa e uma pilha de páginas A4 sobre ela, incontáveis ​​marcadores de todas as cores do arco-íris espalhados no local de trabalho. Eu ficava horas no meu “escritório”, pintando animais e desenhando paisagens, enquanto meu avô trabalhava em silêncio, sorrindo para mim. Um dia, vovó abriu a porta do escritório e começou a falar agitadamente com meu avô. Não me lembro do que ela estava falando. Só consigo recriar o rosto dela, vermelho e molhado, a boca murmurando palavras que não dava para entender, enquanto meu avô olhava para o computador, concentrado, digitando algo que precisava mandar para o trabalho. Eu me levantei e corri para fora do escritório. Nunca falei sobre isso para ninguém da família, que nunca falaram sobre isso com ninguém, nunca.

A primeira mulher a se tornar estatística no ano dois mil e vinte foi uma moradora de uma pequena cidade no sul. Aconteceu quatro dias depois da véspera de Ano Novo, e no mesmo parque onde costumo passar horas dos meus dias, escreveram na parede: É necessário um ministro para o assassinato de mulheres (“Sar Le Inianei Retzach Nashim”). Lembrei-me de uma amiga que havia me dito este mesmo “slogan” meses atrás, e que junto com suas reclamações sobre o atual governo também me falava sobre seu relacionamento afetivo. Um dia, ela veio triste até mim para desabafar sobre uma briga que houve entre ela e o namorado, na qual ele completamente alterado, pouco antes de sair batendo a porta da casa, mandou para ela em silêncio com a ajuda de seu dedo médio um “vá se f****”. Ela me disse isso com vergonha e eu fiquei em silêncio. Eu não soube o que dizer.

Nunca sabemos o que dizer em tais situações. Sabemos, depois, gritar nas ruas segurando placas em passeatas e ficar chocados na frente da TV. Somos campeões em escrever longos posts nas redes sociais e mencionar casos de violência em grupos de WhatsApp. A gente sempre sabe exigir “Sar Le Inianei Retzach Nashim”.

A antropóloga Sherry Ortner (1974) escreveu em um de seus mais conhecidos e importantes artigos que, para melhorar a situação das mulheres na sociedade, são necessárias mudanças políticas, por meio de legislação, e mudanças culturais, que dependem de cada um. de nós. Estou esperando a mudança legislativa e vou continuar exigindo-a até que aconteça. Mas a cultural… Esse é o maior desafio que todos nós enfrentamos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *