Israel pressionará por mais ajuda aos palestinos

Israel vai pressionar por mais ajuda internacional aos palestinos em uma conferência de países doadores na Noruega nesta semana, disse o Ministro da Cooperação Regional Issawi Frej (foto) ao The Times of Israel.

“Durante nossas reuniões nos próximos dias, nossa mensagem aos países doadores será de fornecer mais ajuda aos palestinos. A negligência nos últimos anos criou uma crise financeira que ameaça não apenas a Autoridade Palestina, mas a região como um todo”, disse Frej em um telefonema.

A ajuda estrangeira à Autoridade Palestina caiu vertiginosamente no ano passado. De acordo com documentos disponíveis ao público, Ramallah recebeu US$ 480 milhões em ajuda externa ao orçamento entre janeiro e setembro de 2019. No mesmo período em 2021, recebeu apenas US$ 32,75 milhões em apoio ao orçamento.

Observadores internacionais expressaram preocupação com a possibilidade de uma Ramallah cada vez mais sem dinheiro enfrentar um colapso financeiro. O déficit orçamentário da AP deve chegar a US$ 1,36 bilhão em 2021, de acordo com as Nações Unidas.

“Israel e a Autoridade Palestina são uma unidade econômica única. Ninguém está fazendo um favor para o outro aqui, isso serve para os dois lados. Uma AP forte beneficiará Israel”, acrescentou Frej, membro do partido de esquerda Meretz.

O Comitê de Ligação Ad Hoc – uma organização guarda-chuva de doadores internacionais para a Autoridade Palestina – deve se reunir em Oslo nos próximos dois dias. Frej, junto com outros altos oficiais militares israelenses e funcionários públicos, representará o Estado judeu na conferência.

LEIA TAMBÉM

A reunião ocorre em um momento em que a Autoridade Palestina enfrenta uma “crise econômica e fiscal contínua”, segundo as Nações Unidas. A pandemia do coronavírus, agravada pela diminuição da ajuda estrangeira a Ramallah, gerou temores de que a AP em breve não será mais capaz de pagar seus próprios funcionários públicos.

“É cada vez mais difícil para a AP cobrir seus gastos mínimos, quanto mais fazer investimentos críticos na economia e no povo palestino”, disse o Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio, Tor Wennesland, em um comunicado na semana passada.

A companhia nacional de eletricidade de Israel começou recentemente cortes de energia planejados em algumas áreas palestinas devido à incapacidade de Ramallah de pagar suas contas de eletricidade. Israel fornece a maior parte da eletricidade dos palestinos, seja diretamente ou por meio da Companhia de Eletricidade do Distrito de Jerusalém.

“Espero destinar fundos e recursos suficientes para permitir que o setor elétrico da Autoridade Palestina se sustente por conta própria”, acrescentou Frej.

Frej disse que também terá uma reunião com o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammad Shtayyeh, durante a conferência. O ministro árabe israelense encontrou-se com o presidente da AP, Mahmoud Abbas, em outubro, junto com outros políticos do Meretz.

Shtayyeh deve partir para Oslo, nesta terça-feira, onde se encontrará com os países doadores e também com  as autoridades norueguesas, disse o primeiro-ministro.

“Esta visita à Noruega é de grande importância neste momento, visto que enfrentamos uma situação financeira difícil”, disse Shtayyeh ao gabinete da Autoridade Palestina durante uma reunião.

A delegação palestina pediria mais dinheiro de ajuda “para cumprir nossas obrigações”, disse Shtayyeh.

A assessoria de imprensa de Shtayyeh não comentou sobre um possível encontro com Frej.

Ramallah teve repetidos problemas financeiros até agora neste ano, levando a preocupações de que a Autoridade Palestina poderia enfrentar um colapso econômico. A União Europeia, o maior doador individual da AP, não transferiu nada do seu apoio ao orçamento habitual até novembro.

Após uma visita de Shtayyeh a Bruxelas no final de outubro, a UE transferiu US$ 17,8 milhões, ou cerca de um mês de salários e pensões para funcionários públicos da AP. Mas uma retomada total da ajuda é improvável até 2022, depois que o orçamento da UE for aprovado, disseram autoridades europeias.

Israel também confiscou NIS 600 milhões de impostos que coleta em nome de Ramallah em julho. Segundo uma lei israelense de 2018, Israel confisca regularmente o dinheiro das receitas para penalizar Ramallah por sua política de pagar subsídios a prisioneiros palestinos mantidos em Israel e às famílias de palestinos mortos durante confrontos violentos com as forças israelenses, incluindo aqueles que cometeram ataques terroristas contra israelenses.

A Autoridade Palestina criticou a política de Israel, que diz violar os acordos entre os dois lados. Em seus comentários ao gabinete na segunda-feira, Shtayyeh disse que pediria aos doadores internacionais que pressionassem Israel a acabar com esta política.

Israel diz que os subsídios representam um incentivo direto para realizar ataques terroristas contra israelenses.

À medida que a perspectiva de uma crise fiscal palestina se aproximava no final de agosto, o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, anunciou que Israel emprestaria 500 milhões de NIS, efetivamente contornando a lei.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Yonatan Sindel (Flash90)