Prisioneiros contrabandeiam esperma em saco de batata frita

Terroristas palestinos teriam gerado filhos fora da prisão contrabandeando seu esperma em sacos de batatas fritas, de acordo com um relatório da organização Palestinian Media Watch (PMW).

Um prisioneiro terrorista libertado, Rafat Al-Qarawi, disse à televisão oficial da Autoridade Palestina que teve quatro filhos dessa maneira e que os sacos de batatas fritas, que são selados novamente, estão marcados com o prisioneiro ao qual o esperma corresponde. A bolsa também é embrulhada de forma diferente para indicar às esposas qual delas contém o esperma.

“Nós contrabandeamos esperma pela cantina. O prisioneiro palestino dá à sua família cinco itens em uma sacola”, disse Al-Qarawi. “É como ir a um supermercado e você quer dar algo para sua família, um presente, doces, biscoitos, suco, mel, o que você quiser”.

“Nós produzimos a amostra segundos antes de eles chamarem nossos nomes e colocamos em sacos, embrulhamos de uma certa maneira, marcamos e amarramos com cordas da maneira que dissemos à família durante a visita anterior”, continuou ele.

LEIA TAMBÉM

101 crianças supostamente nasceram assim, afirma a PMW.

Al-Qarawi era membro das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa e foi preso e condenado a 15 anos por sua atividade durante a segunda Intifada, relatou a PMW. Ele foi solto em março do ano passado.

Especialistas, no entanto, dizem que isso é pouco provável, pois o esperma não duraria muito tempo nestas condições.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Padres Hana, CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)