Carne de porco à base de vegetais não será casher

A Impossible Foods, uma empresa que desenvolve substitutos vegetais para produtos à base de carne, está lançando um novo produto, mas ao contrário do extremamente popular Impossible Burger, ele não será certificado como casher.

A maior e mais influente certificadora de produtos casher do mundo se recusou a endossar o Impossible Pork, embora nada sobre seus ingredientes ou preparação entre em conflito com as leis dietéticas judaicas.

“Não demos um certificado ao Impossible Pork (porco impossível), não porque não fosse cosher em si”, disse o rabino Menachem Genack, CEO da divisão casher da União Ortodoxa (UO). “Na verdade, pode ser totalmente em termos de seus ingredientes: se for totalmente derivado de uma planta, é casher. Apenas em termos de sensibilidade não”.

Para os judeus que se mantêm casher, o Impossible Burger permitiu algumas experiências alimentares que, de outra forma, estariam fora dos limites por causa da proibição da lei alimentar de misturar leite e carne. Nos últimos cinco anos, judeus e restaurantes casher serviram chili com cobertura de queijo, cheeseburgers gordurosos e aquela combinação perfeita de jantar americano: hambúrguer com milkshake.

LEIA TAMBÉM

“O próprio hambúrguer impossível é um grande, enorme sucesso e as pessoas realmente gostam dele”, disse Genack. “É um produto realmente excelente em todos os aspectos”.

Com o novo produto, a Impossible Foods quis dar a mesma experiência a judeus e muçulmanos que não comem carne de porco, junto com outros que buscam evitar produtos de origem animal ou reduzir seu impacto ambiental.

Genack disse que ele e outros na UO se lembraram do que aconteceu quando uma vez certificaram “bacon” que não era feito de porco.

“Ainda recebemos uma enxurrada de ligações de consumidores que não aceitam ou ficam incomodados com isso”, disse ele.

A UO já reteve a certificação por outros motivos que não a preparação de alimentos. Em 2013, por exemplo, exigiu que um restaurante de Manhattan mudasse seu nome de Jezebel, nome de uma figura bíblica associada à imoralidade, para manter sua certificação.

A organização certifica outros produtos que podem parecer entrar em conflito com a lei alimentar judaica, explicando em seu site que “um molho de peixe pode exibir uma imagem de um peixe não casher ou pode haver uma receita para um alimento não casher no rótulo”.

Mas, no final das contas, a União Ortodoxa decidiu que um produto chamado “carne de porco” simplesmente não seria permitida, disse Genack. “É claro que discutimos isso com a empresa e eles entenderam”, disse ele.  Mas para a Impossible Foods, a palavra “porco” veio para ficar.

“Embora o Impossible Pork tenha sido originalmente projetado para a certificação Halal e casher, não estamos avançando com essas certificações, pois desejamos continuar a usar o termo ‘Pork’ em nosso nome de produto”, disse um porta-voz da Impossible Foods.

A decisão significa que Impossible Pork não estará no cardápio de restaurantes casher, que devem usar apenas produtos certificados para manter sua própria certificação. Isso inclui restaurantes asiáticos casher e / ou veganos com pratos básicos que normalmente incluem carne de porco.

Fonte: JTA
Foto: Impossible Foods

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *