Como favorecer a saúde mental infantil?

Por Marion Minerbo

Marion e AnaLisa conversam sobre como construir as bases da autoestima do bebê, minimizando futuros problemas de saúde mental em crianças e adolescentes.

Marion – Olá, AnaLisa, sobre o que gostaria de conversar hoje?

AnaLisa – Olá, Marion! Antigamente as pessoas achavam que a infância era um período paradisíaco. Hoje, sabemos que não é bem assim. Muito cedo as crianças podem ter problemas ligados à saúde mental. Como ajudá-las a construir uma boa base emocional para enfrentar a vida?

Marion – Muito importante sua pergunta. A verdade é que a saúde mental começa a ser construída no vínculo com a mãe e com o ambiente já nas primeiras horas de vida.

AnaLisa – Uau! Será? Mas um recém-nascido ainda não entende nada!

Marion – Entende, sim. Ou melhor, não entende, mas percebe, sente! Ele se sente seguro e bem acompanhado quando percebe que há uma proximidade, não só física, mas emocional. Então, o primeiro fator importante para a saúde mental é um vínculo bom com a mãe ou o cuidador.

AnaLisa – E o que significa um vínculo bom? A mãe tem que fazer tudo o que o bebê quer?

Marion – Não é bem isso. Um vínculo bom é aquele em que os dois sentem que dão, e também que recebem. A reciprocidade faz com que o vínculo aconteça. E também faz com que um tenha prazer em estar com o outro. Aí o vínculo que vai sendo construído vai ser um vínculo bom, em que um cresce graças ao outro.

AnaLisa – Puxa, e eu via esta relação como sendo de mão única. Achava que só a mãe dava. Mas qualquer relação é como uma coreografia. O passo que um dá influencia o passo que o outro vai dar, e vice-versa.

Marion – Exato! Um bebê faz um barulhinho daqueles gostosos. Ele agita os bracinhos. Ou então, chora e grita. Tudo isso são “mensagens” na língua dele. Ele está procurando contato, reciprocidade. Ele quer e precisa se relacionar. Se a mãe não entende que aquilo é uma mensagem, ou se não corresponde, ele fica no vácuo, sente que é transparente, ou que é um peso, ou que não é bem-vindo.

AnaLisa – Nossa, eu vi isso outro dia na casa de uns amigos! A mãe estava tão angustiada com os problemas dela que não percebia os esforços que o bebê estava fazendo para “brincar” com ela. Entendeu isso como “manha” e, gritando, mandou calar a boca. São as sementes de futuros problemas de autoestima! Como a mãe pode aprender a se comunicar com seu bebê, e a responder de maneira adequada às suas mensagens?

Marion – Prestando atenção na pessoinha que ele é. Aquela pessoinha vai dar dicas, vai tentar mostrar para ela o ponto de vista dele.

AnaLisa – Vai tentar ensinar a mãe a ser mãe-dele!

Marion – Você já sacou tudo! Quando a mãe tem boa saúde mental, ela vai aprendendo com seu filho naturalmente. A comunicação rola e a autoestima dele vai se fortalecendo.

AnaLisa – Conheço mães que estão o tempo todo tentando impor o ponto de vista delas.

Marion – É triste para os dois. O eu do filho vai se sentindo esmagado. Ele vai tentar mostrar de todos os jeitos possíveis que não está bom para ele. Se ela não entendeu por bem, vai ter que entender por mal.

AnaLisa – E, se ela continuar não entendendo?

Marion – Começam as dificuldades emocionais mais pesadas. A criança que se sente respeitada enquanto pessoa aprende a respeitar as outras pessoas e os pontos de vista delas. E as primeiras a serem respeitadas serão os pais.

AnaLisa – Puxa, interessante essa ideia de que os pais podem aprender com os filhos!

Marion – Os pais mais felizes são os que estão abertos para ampliar sua maneira de ver as coisas aprendendo com os filhos. Os filhos também vão tendo prazer em entender o ponto de vista dos pais. A relação de reciprocidade que eu falei antes vai ficando mais complexa e mais rica.

AnaLisa – Pensando bem, é assim também entre adultos. As relações mais legais são aquelas em que cada um aprende com o outro e amplia seu ponto de vista. No Brasil, em Israel, e em qualquer lugar do mundo.

Marion – E por que haveria de ser diferente entre pais e filhos, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *